quinta-feira, 17 de maio de 2012

CONSEPE aprova mais três mestrados para Programas de Pós-graduação da UFRN


O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CONSEPE), da Universidade Federal
 do Rio Grande do Norte (UFRN), aprovou em sua última reunião três mestrados
 profissionais para os seguintes programas: Pós-graduação de Saúde e Tecno-
logia em Comunicação Humana, Pós-graduação em Energia Elétrica, e Pós-graduação
 Interdisciplinar em Saúde.

Os Programas serão vinculados aos Departamentos de Fonoaudiologia, de Engenharia 
Elétrica e Interdisciplinar em Saúde, localizados nos Centros Acadêmicos ou Unidades
 Especializadas da UFRN, como o da Faculdade de Ciências da Saúde do Trairí (FACISA).

Os Programas de Pós-graduação foram aprovados no âmbito institucional da UFRN e 
serão encaminhados ainda este mês para a Coordenação de Aperfeiçoamento de 
Pessoal de Nível Superior (CAPES), a quem compete aprovar e autorizar o funciona-
mento dos cursos.

Nesta semana, a UFRN também encaminhou para a CAPES um novo Programa de 
Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS), a ser oferecido em rede nacional, 
com a participação de 42 Instituições Federais de Ensino Superior (IFES). O Pro-
grama tem o objetivo de formar professores da Educação Fundamental para o en-
sino da Língua Portuguesa.
Por Agência de Comunicação da UFRN



quinta-feira, 10 de maio de 2012

Soropositivas também podem ter filhos saudáveis


Ministério da Saúde oferece suporte para que mulheres com aids realizem sonho de ser mãe com pequenas chances de transmissão vertical do vírus
O desejo de ser mãe é um sonho para muitas mulheres. Esse sonho vale também para mulheres soropositivas, já que toda pessoa, independentemente de viver ou não com aids, tem direito de decidir se quer ter filhos ou não, quantos e em que momento da vida. O acesso universal ao tratamento do HIV possibilitou um novo cenário para mulheres com o vírus da aids que desejam se tornar mães. A queda nas taxas de transmissão vertical (de mãe para filho) do HIV é uma realidade que anima as soropositivas.
As tecnologias atualmente disponíveis e recomendadas no Brasil são capazes de reduzir o risco de transmissão vertical para menos de 1%. Entre 2008 e 2009, cerca de 6 mil mulheres que sabidamente viviam com HIV engravidaram. Havendo desejo de paternidade ou maternidade, é necessário estabelecer um planejamento conjunto. Para aqueles casais que desejam ter filhos pelos métodos naturais, é importante não ter infecções genitais (como, por exemplo, DST), apresentar estabilidade imunológica, boa adesão ao tratamento e carga viral indetectável. No Brasil, aproximadamente 80% das pessoas com aids se encontram na faixa etária reprodutiva.
Esther Vilela, coordenadora do departamento de Saúde da Mulher do Ministério da Saúde, explica que as mulheres que se encontram nessa situação podem contar com o Sistema Único de Saúde (SUS). “Hoje, a aids não é uma doença que mata como antes. Há condições de monitorar essa gravidez, apesar de ser de alto risco. A medicina lida com isso e tenta levar o máximo de segurança possível a essa mulher. Se forem tomadas as medidas necessárias, a transmissão vertical é reduzida bastante”, afirma.
De acordo com a coordenadora, o SUS hoje conta com cerca de 200 maternidades habilitadas de alto risco. As mulheres com HIV e outros problemas de saúde mais complexos são acompanhadas nessas unidades. “No plano de ação da Rede Cegonha estamos fazendo um desenho da rede, para que os médicos encaminhem as mães para as unidades mais próximas. O corpo de profissionais nessas unidades é maior e tem mais especialistas”, aponta Esther Vilela.
Etapas – A primeira coisa a fazer para decidir sobre a gravidez nesses casos é conversar com o médico do Serviço de Assistência Especializada em HIV/Aids (SAE) que realiza o acompanhamento da mulher. Ele vai avaliar a condição imunológica dela para
planejar o melhor momento clínico para que a gravidez ocorra com menos risco de transmissão para o bebê.
Se as condições estiverem favoráveis e for comprovada a ausência de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), o médico vai conversar com a mãe e o pai para decidirem a forma da concepção. De acordo com Andrea Rossi, consultora técnica do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, a orientação mais fácil e sem riscos para casais sorodiscordantes (quando um apenas é positivo para HIV) é a autoinseminação. “Com a coleta do sêmen masculino, a mulher pode introduzi-lo na vagina por meio de uma seringa. Isso não traz riscos para o parceiro”, afirma.
Para os casais soroconcordantes, a orientação é que tenham relação sexual apenas em período fértil. Caso a mulher siga todas as orientações, faça o acompanhamento pré-natal, tome antirretrovirais durante a gestação e na hora do parto e não amamente o bebê após o nascimento, reduzirá em até 99% o risco de transmissão do HIV. Isso depende da boa adesão às recomendações.
Perto do nascimento, o médico vai avaliar a via de parto mais aconselhável. A escolha é feita pelo médico e vai depender de uma série de fatores como a situação clínica da mulher, se ela tem outra doença e se está com DST. No entanto, a prática mais segura, em todo caso, é a cirurgia cesariana. Todos os procedimentos, bem como os medicamentos antirretrovirais, são oferecidos pelo SUS.
Agência Saúde - Ascom/MS

terça-feira, 8 de maio de 2012

Alunos da UFRN criam o Clube do Livro para discutir temas relevantes


Alunos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) promovem, a partir deste mês, um clube do livro intitulado A Sociedade dos Profetas Mortos. O primeiro encontro acontece dia 11 de maio no Auditório do Museu de Morfologia localizado no Centro de Biociências (CB) da UFRN às 17h30.
A iniciativa é da bióloga Diana Chacon, mestranda em psicobiologia na UFRN, e Andriellen Florêncio, aluna do curso de Serviço Social. As duas são amigas e levaram a ideia para o professor Eduardo Moura, do departamento de Morfologia da UFRN, que se voluntariou para orientar o clube.
Segundo Andriellen Florêncio, este primeiro encontro será dedicado à apresentação do clube; discussão de assuntos como liberdade de expressão e identidade; e exibição do filme Sociedade dos Poetas Mortos. O filme trata da história de um professor de poesia que leciona em uma escola conservadora, no final da década de 1950, e incentiva seus alunos a buscarem suas paixões e desejos individuais.
A Sociedade dos Profetas Mortos, da UFRN, tem o objetivo de discutir temas relacionados à ciência, filosofia, religião e sociedade, bem como promover a aprendizagem e integração de estudantes de diferentes cursos.
Durante o encontro, os participantes poderão sugerir temas para as próximas discussões. A participação é gratuita e aberta ao público. Mais informações pelos telefones 3234-7095 (Diana Chacon), 8828-6746 e 9955-2856 (Andriellen Florêncio).
Por Agência de Comunicação da UFRN

domingo, 6 de maio de 2012

Referendando... Andery, Maria Amália Pie Abib (2007). Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. Garamond Universitária. 1ª Parte.




Compreender o contexto grego em que surgiram as reflexões científicas dos seus pensadores é fundamental para entender a ciência através de uma perspectiva histórica. A primeira parte do livro traz essa discussão apresentando os principais aspectos que fizeram da cultura grega um marco, capaz de influenciar diferentes culturas ao longo dos séculos. 
Foi no período homérico que as bases da civilização se desenvolveram. No período em que prevaleceu a estrutura palaciana a escrita tinha um papel fundamental na vida econômica e sócia, contudo, quando essa estrutura caiu, a escrita que até então era utilizada na fiscalização e controle, acaba por desaparecer. Com o surgimento da polis veio uma série de transformações que possibilitou o reaparecimento da escrita, agora com novas funções, dentre as quais a divulgação de aspectos da vida social e política. Toda a noção de função social passa por modificações e a tomada de decisões passa a considerar tanto o caráter humano quanto o público e os homens passam a controlar melhor seus destinos. Contudo, as leis eram promulgadas e exercidas por quem conhecia a tradição e os mitos, uma vez que a religião controlava completamente as atividades humanas.
Na economia mercantil a própria dinâmica social que restringia a noção de cidadania que excluía mulheres, escravos e estrangeiros tornou-se objeto de reflexão. Um ponto de destaque interessante é o papel das mulheres gregas. Levando em conta a diferença entre trabalho manual e trabalho intelectual, tendo em vista que foi esse modelo de organização que permitiu o surgimento da filosofia na Grécia, na medida em que pôde liberar os homens para o trabalho intelectual, uma vez que os escravos e as mulheres se encarregavam do trabalho manual.
Desse modo, pode-se dizer que o desenvolvimento da polis foi fundamental para o nascimento do pensamento racional. A partir do desenvolvimento mercantil a idéia do mito começa então a ser rompida. A natureza passa a ser investigada como fonte de respostas. 
Os filósofos gregos elaboraram explicações sobre a origem do universo de formas diversas, apesar disso, iniciaram uma nova forma de ver o mundo a partir de suas concepções.
Para melhor compreender o contexto em que surgiu essa filosofia, é preciso considerar as guerras e as diferenças culturais entre as cidades gregas.
Quando Esparta ganha a Guerra do Peloponeso, não destrói a cultura ateniense, apenas trata de institucionalizar esse conhecimento.
Entre tantos pensadores, alguns tiveram destaque em suas proposições.
Criticados pelo relativismo, os sofistas  elaboraram um pensamento que ultrapassou o seu tempo.A ênfase no indivíduo que molda e é moldado pela cultura e pelas condições sociais é uma característica do sofismo. Defendiam que as instituições da polis eram construções humanas relativas a uma cultura. Desse modo, a centralidade no homem e o relativismo marcam o pensamento sofista.
Sócrates tinha a idéia inovadora de que o conhecimento não poderia ser simplesmente transmitido como regras previamente estabelecidas, o indivíduo só alcançaria o conhecimento através de si mesmo. Reconhecer a própria ignorância seria o principal caminho para o saber. Não era no conhecimento da natureza que ele estava interessado, mas no conhecimento dos homens e da sociedade. Ele introduziu a questão dos conceitos universais e da indução. A partir de então, o homem passa a ser objeto de conhecimento rigoroso.
Platão foi professor de Aristóteles. Para ele, o conhecimento deveria possibilitar o governo de uma sociedade justa. Seu argumento era de que existiam dois mundos: o mundo da idéias e o mundo das coisas sensíveis. O verdadeiro saber viria do mundo das idéias.
Aristóteles diferia de Platão no seu entendimento acerca da política, enquanto em Platão era considerada objeto de conhecimento e ação, em Aristóteles a política restringia-se a objeto de estudo. Seu pensamento serviu de base para muitos outros pensadores, sobretudo em razão de seu rigoroso método de chegar ao conhecimento e sem sombra de dúvidas, o mais próximo do pensamento racional que o mundo grego foi capaz de elaborar. Ele considerava fundamental na busca desse conhecimento usar tanto a indução como a dedução. A indução seria um estágio inicial, enquanto a dedução seria a via de raciocínio mais importante.
Toda a filosofia cristã foi fundamentada nos escritos de Platão e Aristóteles, que foram traduzidos pelos árabes. Agostinho e São Tomás de Aquino quando conhecem esse material passam a fundamentar a teoria do cristianismo. Pode-se dizer, portanto, que Platão e Aristóteles são os fundadores da nossa cultura, eles tinham um método para a produção do conhecimento. Ambos, assim como Sócrates, eram contrários aos sofistas, sobretudo ao relativismo. Acreditavam que o conhecimento tinha uma função social. A formação de cidadãos passou a ser encarada como uma tarefa fundamental com vistas à transformação, ou mesmo a manutenção da sociedade.
Pode-se dizer que todo conhecimento vem da discussão sobre o divino, ainda que para criticá-lo (Marx foi uma exceção, com seu materialismo histórico.)  
Enfim, vale fazer uma reflexão de como a influência da cultura grega está presente em nossa cultura. É interessante perceber como o cordel tem características semelhantes à cultura grega, na medida em que também conta aventuras reais. O serviço militar é outro exemplo disso: seguimos a mesma lógica do serviço militar espartano, entre outros aspectos, temos a mesma lógica da obrigatoriedade do alistamento. Assim como os controles que a nossa escola mantém vem da lógica espartana.
O livro é fundamental para quem faz mestrado ou doutorado na medida em que compreender a História que influencia nossa cultura é fundamental para ter uma visão crítica de nossas instituições e então aventurar-se a compreender e fazer ciência.
 Por Aparecida Cunha